Taxista relata como conseguiu impedir suicídio de jovem

Reprodução / Facebook

A jovem Kedma Oliveira, de 23 anos, dado como desaparecida nas redes sociais após deixar um texto de ‘despedida’, teria tentado se suicidar no Portão do Inferno, segundo relatos do taxista Rodrigo Flávio, 35 anos.

Em entrevista ao Hipernotícias, Rodrigo contou que a estudante de arquitetura entrou no táxi nº 062 da Rádio Táxi Bandeirantes, depois das 14h de quinta-feira (4). O taxista disse que a jovem queria ir para Chapada. “Eu disse que a levaria e o preço seria R$ 300. Ela (Kedma) disse que estava caro, então eu disse que a levaria por R$ 250. Ela quis mais desconto e pediu para levá-la por R$ 200. Eu aceitei e logo fomos. Ela entrou em meu táxi por volta das 14h20h, na região da Estrada do Moinho”, detalhou Rodrigo.

“Chegando perto do Portão do Inferno ela inventou uma história de que os parentes dela estavam lá e por isso teria que descer. Eu insisti para não parar, mas, mesmo assim, ela disse que eles estavam lá e até mostrou um carro que estava parado. Ela dizia que os familiares dela estavam esperando por ela”, relatou o taxista.

Rodrigo tentou convencer a moça de que ela tinha pago uma viagem até Chapada, mas ela desceu do carro e disse que o taxista poderia ir embora.

“Então manobrei o carro e logo voltei para Cuiabá. Mas eu pressenti que ela queria fazer alguma coisa ruim com ela mesmo. Não andei nem 200 metros e manobrei o carro de volta. Então já vi ela do lado de dentro do parapeito que define o limite entre a pista e o penhasco. Então eu desci correndo e gritando do carro, mas ela pulou. Eu peguei o cabelo dela, só a ponta do cabelo, mas os fios arrebentaram. Por conta do meu puxão, ela caiu na beirada do barranco e quando ela colocou a mão para se apoiar eu peguei os braços dela e pensei: agora ela não cai mais”, contou o taxista.

Rodrigo relatou ainda que pediu ajuda a outros carros que passavam. “Alguns carros pararam e logo um morador de Chapada me ajudou. Tiramos ela do despenhadeiro. Ela chorou muito e nós falamos palavras de emoção e de Deus pra ela. Ela foi levada bem para a casa lá de Chapada e eu segui. Vi ela bem e também o dono da casa que a levou disse que o pai iria buscar a moça, então eu voltei embora”.

O taxista ficou bastante emocionado com a situação. “Isso nunca aconteceu comigo. Acho que foi Deus que me colocou na vida dela. Evitei um suicídio. Evitei uma morte. Na verdade, nem estou acreditando nisso”, disse em entrevista ao Hipernotícias.

Do N ao Minuto

Leia também Outras notícias